Press "Enter" to skip to content

O Brasil não pode e não quer esperar

Tiago Nascimento

Last updated on 3 de Junho, 2019

“O sentimento das ruas”


O dia 26 de maio de 2019, no Brasil, foi um dia ensolarado e com temperatura agradável, cenário condizente com o evento ocorrido em nível Nacional, o povo brasileiro vestiu-se de verde e amarelo para sair às ruas, e de uma vez por todas parece ter entendido, que este solo é sagrado, e que a situação política, outrora entendida como “imutável”, não corresponde àquilo que todos nós merecemos.

As manifestações ocorridas por todo o Brasil, que tinham como pautas a reforma da previdência, pacote anticrime, MP 870 e a CPI da Lava Toga, chama a atenção por estar, sobre tudo pela antiga lógica tupiniquim, fora de época, visto que a atenção popular pela política no país, pelo menos no período pós regime militar, sempre foi tido como algo incomum, e embora tenha existido grandes manifestações populares, que pediam o impeachment da então Presidente Dilma Rousseff, como afirmou o comentarista político, Caio Coppolla, “tinham caráter de desconstrução”, e desta forma “é mais fácil arregimentar pessoas para desconstruir” do que para construir, tal como foram as pautas motivadoras das manifestações deste domingo (26), que pediam a construção de um novo Brasil, onde também se protestava contra a morosidade e indisposição dos parlamentares dos Partidos do “Centrão” para aprovar os projetos. Coppolla também chamou a atenção para o que considerou como “ineditismo”, por ver nas ruas centenas de milhares de brasileiros, pedindo por exemplo pela reforma da previdência, pauta tida como impopular.

Outro fator preponderante, desmistificado pelas manifestações, foi a prova de que o apoio aos projetos do governo do Presidente Jair Bolsonaro não se limita ao ambiente virtual, acusações recorrentes de impulsionamento de Hashtags por ações coordenadas em apoio ao governo, por “robôs”, caíram por terra, e foram pisoteadas por cada patriota que abdicou de seu descanso dominical, para apoiar o desenvolvimento do seu país.

Por fim, um grande recado aos políticos brasileiros foi dado, o pedido de mudança, já autenticado nas últimas eleições foi reforçado pelo povo. E também é inegável, os críticos terão que reconhecer, que foram os “fanáticos bolsonaristas” que demonstraram a todos, por sua vontade de lutar pelo Brasil, que a mais impopular reforma dos últimos anos, a previdência, tornou-se a partir deste domingo, 26 de maio de 2019, um clamor popular.