Press "Enter" to skip to content

Gleisi e sua oculta agenda. Na semana anterior ao vazamento de mensagens, Dilma e Gleisi estiveram na Rússia.

Paula Zanelli

No dia 4 de junho de 2019, a ex-presidente Dilma Rousseff esteve em Moscou, capital da Rússia, ao lado da presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann, em uma missão não divulgada no Brasil. No site da Câmara dos Deputados, a parlamentar publicou a justificativa de ausência como “missão autorizada”, mas não ofereceu maiores detalhes. Até hoje não apresentou o relatório da viagem. Observem que a única viagem oficial que consta no site da Camara realizada pela deputada foi em Fevereiro deste ano. Qual o motivo de tanto mistério? Se foi usado dinheiro público, a deputada tem por obrigação expor a obscura finalidade , feita “casualmente” 5 dias antes de Glenn Greenwald publicar a bomba semiótica “#VazaJato”.

https://www.camara.leg.br/deputados/107283

https://www.camara.leg.br/internet/deputado/RelPresencaPlenario.asp?nuLegislatura=56&nuMatricula=451&dtInicio=01/01/2019&dtFim=31/12/2019

A enigmática viagem das petistas é de se estranhar, visto que ambas estão sendo seriamente investigadas pela Lava Jato, e nem o próprio site do PT, divulgou ou sequer mencionou a “missão”, que continua em sigilo absoluto. Mas através do site russo http://duma.gov.ru/en/news/45218/ foi obtido alguns detalhes.

"Liderança da facção do Partido Comunista reuniu-se com uma delegação do Partido dos Trabalhadores do Brasil."

“Na reunião, ressaltou-se que Rússia e Brasil precisam manter “a atitude positiva que se desenvolveu entre dois países durante o período em que o Partido dos Trabalhadores está no poder”. “Pagaremos o grande tributo por nossas boas relações com [ o ex-presidente do Brasil, o fundador do partido] Lula da Silva e você, Sra. Rousseff. Como presidente, você veio ao nosso país e assinou muitos documentos importantes sobre cooperação em várias esferas ”, disse Ivan Melnikov.”

Que ‘documentos” assinados seriam esses?

A delegação russa era composta por Dmitrii Novikov, Primeiro Vice-Presidente da Comissão de Assuntos Internacionais, e Maksim Shchablykin, membro da Duma do Estado, Coordenador do Grupo Parlamentar de Relações com o Parlamento do Brasil. A delegação brasileira incluiu Gleisi Hoffmann, presidente do Partido dos Trabalhadores do Brasil, secretária-geral do Partido e secretária do Partido em Assuntos Internacionais.

Quem registrou a presença das petistas foi a Duma, a Câmara dos Deputados russa. A dupla também foi flagrada por brasileiros passeando pela cidade. Estranhamente, nos perfis no Twitter das duas não há qualquer menção à viagem. que dirá fotos. Ao contrário, durante esses dois dias abundam publicações sobre política brasileira e fotos do país, como se as duas nele estivessem, na mais absoluta normalidade.

Qual seria o motivo do segredo? As próprias Dilma e Gleisi não consideraram como algo digno de divulgação em suas redes sociais? Ou mesmo no site do Partido?

Nem tampouco a mídia , noticiou a viagem. Nem mesmo o Ministério das Relações Exteriores russo não só não tomou nota da viagem como não tem ideia de o que as duas foram fazer lá. Mas a citada viagem “sem importância ” a ponto de ser ocultada, foi articulada com meses de antecedência.

A conduta temerária e absurda de Dilma e Gleisi na Rússia , precisa ser apurada com a máxima urgência, visto que ambas falaram em nome do Brasil, e isso é muito serio, podendo ate ocorrer uma prática criminosa, visto que a “missão” foi feita em sigilo absoluto, o que indica que algo muito obscuro e podre está no ar.