Press "Enter" to skip to content

O médico italiano que está achatando a curva tratando pacientes com COVID-19 em suas casas

Alex Diferolli

(Por Francesca Berardi, via TIME)

Durante o último mês, Giovanni Sartori perdeu a noção do tempo.

Ele não se lembra exatamente quando seu irmão mais novo, um homem forte e saudável de 53 anos com quem ele morava, começou a ter febre alta e problemas respiratórios.

Mas ele sabe que após cerca de uma semana nessa condição, tomando o paracetamol prescrito por seu clínico geral, ele foi levado ao hospital. Dez dias depois, ele estava morto.

Sartori, 60 anos, ficou sozinho com sua mãe de 90 anos em Castana di Pradello, uma vila em Emilia Romagna, Itália, onde há mais vacas e ovelhas do que pessoas.

Sua casa fica a mais de 5 km da farmácia e supermercado mais próximos e a 48 km do hospital em Codogno, onde foi registrado o primeiro surto de COVID-19 na Itália.

Agora, a mãe de Sartori está apresentando sintomas do vírus. “Ela está assim há algumas semanas e não queria ir ao hospital”, explica ele em uma entrevista por telefone. Felizmente, o dr. Cavanna veio à nossa casa um dia. Quando o vi entrar, me senti renascido.

Luigi Cavanna é o chefe da enfermaria de oncologia do hospital de Piacenza, nas proximidades. Desde a segunda semana de março, quando o bloqueio na Itália começou, ele percebeu que muitos pacientes com COVID-19 gravemente doentes estavam chegando na sala de emergência, enquanto que a maioria deles poderia ter sido tratada em casa mais cedo, antes que seus sintomas se tornassem graves demais.

26/03/2020 – Provincia de Picenza, perto de Codogno, o primeiro foco do centro epidêmico. Luigi Cavanna, professor de Oncologia e Gabriele Cremona, chefe da enfermaria de sua ala, iniciaram esta iniciativa de tratar pacientes de casa em casa. São médicos e enfermeiros, equipados com dispositivos de segurança e com ultra-som portátil, que visitam pessoas positivas ou suspeitas em casa.

O objetivo da operação diz o médico: “É reduzir a duração da doença e aliviar a emergência”. Essa modalidade de atendimento domiciliar diminuiria os casos e aliviaria a permanência dos pacientes em uma semana.

É por isso que ele agora viaja pelas áreas ao redor de Piacenza todos os dias, junto com vários colegas. Juntas, suas três equipes visitaram mais de 300 pessoas com sintomas de COVID-19 .

Eles trazem medicamentos aos pacientes e um dispositivo que monitora os níveis de oxigênio no sangue, que eles retornam depois de se recuperarem.

Em casos mais críticos, Cavanna deixa tanques de oxigênio e, como a mãe de Sartori, sacos de líquidos com nutrientes para alimentação não oral. “Minha mãe já está melhor”, diz Sartori. “Estar em sua própria cama e não em um hospital lotado é o que fez a diferença.”

“Quando percebi que a sala de emergência estava superlotada com pessoas que já estavam em estado grave, eu sabia que algo estava errado”, explica Cavanna.

“Isso não é um derrame ou um ataque cardíaco, mas um vírus que pode atingir de diferentes maneiras e seguir seu curso. Temos que tentar pará-lo antes que danifique os pulmões de uma maneira que às vezes é irreversível.”

De acordo com os dados que ele coletou durante o primeiro mês, menos de 10% dos pacientes que ele tratou em casa pioraram a ponto de precisarem ser hospitalizados.

Até a semana passada, Cavanna estava dando à maioria de seus pacientes tanto hidroxicloroquina (comumente usada para malária e certos distúrbios inflamatórios como artrite reumatóide) quanto um antiviral geralmente prescrito para o HIV.

Então a AIFA, equivalente da Itália à Food and Drug Administration dos EUA, emitiu uma nota aconselhando-o a ter muito cuidado ao prescrevê-los juntos.

Então agora, exceto em casos raros, ele usa hidroxicloroquina por conta própria. Embora a droga não tenha sido testada para o coronavírus, ele diz que é o “tratamento mais eficaz por enquanto”.

31/03/2020 – Após a rodada de visitas, os médicos esterilizam e se despem, até a máquina é atomizada para neutralizar o vírus. Luigi Cavanna, professor de oncologia, e Gabriele Cremona, chefe da ala de sua ala, iniciaram a iniciativa de tratar pacientes de casa em casa.

A Casa Branca também tem recomendado entusiasticamente a droga como tratamento para o coronavírus, com o presidente Donald Trump descrevendo-a como uma “cura milagrosa” – um endosso que está arriscando a escassez.

Cavanna enfatiza a importância de um médico prescrever e monitorar o medicamento com atenção. “Todos os dias recebo dezenas de telefonemas e respondo a todas. Prefiro atender o telefone às 2 da manhã do que ouvir que um paciente está piorando ”, diz Cavanna.

Agora que a taxa de casos de coronavírus na Itália atingiu um pico , as autoridades médicas estão analisando o que funcionou e o que não funcionou – e cada vez mais estão se voltando para novas iniciativas como a pioneira de Cavanna.

Administrações locais em outras regiões e organizações sem fins lucrativos como a Doctors Without Borders estão organizando grupos de médicos para prestar serviços em casa e em instalações de maior risco, como asilos.

“Cometemos um erro, especialmente na Lombardia”, explica Ivan Cavicchi, professor de sociologia da saúde na Universidade de Tor Vergata, em Roma.

“Estávamos totalmente focados em aumentar o número de leitos em unidades de terapia intensiva, sem ter anestesiologistas suficientes”, diz ele. “Mas em situações como essa, o fortalecimento de todo o sistema é essencial. Só então os hospitais podem funcionar adequadamente. ”

Ele diz que, em vez disso, clínicos gerais e outros prestadores de cuidados primários foram “abandonados” e “deixados sem proteção”.

Até agora, quase 100 médicos morreram na Itália, cerca de metade deles clínicos gerais.

Durante uma visita à casa, como esta em 26 de março, Cavanna usará um vestido descartável por cima do traje de proteção, além de óculos, duas máscaras, duas luvas, duas toucas e capas de sapatos.

Cavanna e sua equipe podem entrar nas casas dos pacientes porque possuem os equipamentos de proteção necessários, fornecidos pelo hospital onde trabalham e por doadores particulares.

Durante suas expedições, eles vestem um traje de proteção que Cavanna, brincando, descreve como semelhante aos usados ​​por “aviadores no cinema” e, além disso, a cada visita, usam um vestido descartável adicional.

Eles também usam googles, duas máscaras, duas luvas, duas toucas e capas de sapatos.

As autoridades também estão tentando preparar instalações para um possível ressurgimento do coronavírus. “Além de reorganizar os hospitais, precisamos reorganizar os estúdios médicos em toda a região”, explica Pier Luigi Bartoletti, vice-secretário da FIMMG, federação italiana de médicos de família.

Bartoletti e seus colaboradores já estão pensando no próximo inverno, quando – no pior dos casos – o vírus poderá atacar novamente com força.

“Desde outubro, as salas de espera dos consultórios médicos devem ser redesenhadas, com rotas separadas para aqueles com sintomas de gripe”, diz ele. “Além disso, precisamos oferecer aos médicos equipamentos de proteção e treinamento para usá-los adequadamente, juntamente com as ferramentas de diagnóstico apropriadas”. Bartoletti está trabalhando com médicos do Hospital Spallanzani, em Roma, para testar um dispositivo que permita o teste rápido de COVID-19 usando apenas uma gota de sangue retirada do dedo.

Agora que a taxa de casos de coronavírus na Itália atingiu um pico, as autoridades médicas estão analisando o que funcionou e o que não funcionou. Cada vez mais, eles estão se voltando para novas iniciativas como a pioneira de Cavanna.

Hoje, os testes de coronavírus podem exigir 4 ou até 5 dias para obter um resultado. Isso é muito tempo, se você estiver seguindo a estratégia preventiva.

Em vez de esperar pelos testes, Cavanna leva um dispositivo do tamanho de um telefone celular para realizar exames de ultrassom no peito. “Sabemos que em uma área afetada as pessoas com sinais de bronquite ou pneumonia são quase certamente positivas”, explica ele.

“Eu mantenho o cotonete em caso de dúvida ou após o tratamento, para garantir que eles não sejam mais contagiosos depois de curados.”

Médicos e especialistas concordam que a pandemia abriu os olhos – não apenas para os italianos, mas também para o resto do mundo – em relação aos pontos fortes e fracos dos vários sistemas de saúde.

Mas nenhum sistema ainda se mostrou equipado para lidar com uma situação extrema como a atual pandemia.

“Fomos surpreendidos em um momento em que nos sentimos imortais, mas agora está claro para todos que esse não é o caso”, diz Pier Luigi Bartoletti. “Se repetirmos os mesmos erros, a culpa também será nossa.”

A matéria original foi excluída da TIME. Veja aqui o original em PDF.

http://portalcis.com.br/wp/wp-content/uploads/2020/04/Meet-an-Italian-Doctor-Treating-Coronavirus-Patients-at-Home-_-TIME.pdf