Press "Enter" to skip to content

Conduta de Sérgio Moro poderá colocar Lula de volta às eleições presidenciais

Alex Diferolli

A suspeição de Moro no julgamento de Lula, pode não só anular a condenação do ex presidente, o levando a um novo julgamento, como também pode permitir que os direitos eleitorais do ex metalúrgico sejam retornados e pode abrir precedente para que outros julgamento por parte do ex-juiz e agora blogueiro também sejam anulados, colocando a operação lava jato na lixeira.

Os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins, representantes do ex-presidente Lula, tentam desmentir essa informação.

De acordo com os defensores do petista, o habeas corpus que busca a suspeição de Moro é “um remédio constitucional individual de Lula”.

A verdade é que no mesmo habeas corpus, os advogados que representam Lula, pedem que “uma vez reconhecida a suspeição do ex-juiz Sergio Moro, sejam os efeitos da decisão estendidos especificamente às ações penais propostas em face de Luiz Inácio Lula da Silva que estão ou estiveram sob a condução do Juiz Federal Sérgio Fernando Moro (Autos nºs 5063130-17.2016.4.04.7000/PR e 5021365- 32.2017.4.04.7000/PR), decretando-se, por conseguinte, a nulidade de todos eles”.

O Habeas corpus está relacionado a 3 ações penais especificas que envolvem Lula e aso o STF reconheça a parcialidade de Sérgio Moro no julgamento do Triplex, não só esta ação voltaria a fase inicial para a análise de “um juiz imparcial e independente”, mas as outras condenações também.

Porém, isso não impede que outros condenados por Moro se aproveitem disso e entrem com pedidos de revisão de seus processos para que haja um novo julgamento.

Os ministros Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, e Cármen Lúcia já votaram contra, mas um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes paralisou a análise. Pelo menos desde 2005 Sergio Moro tem sua conduta ética discutida no STF e no CNJ.

Ao longo de sua carreira, Moro foi alvo de vários procedimentos administrativos no órgão por conta de sua conduta, considerada parcial e até incompatível com o Código de Ética da Magistratura.

Mesmo saindo derrotado, o Ministro Celso de Mello foi o que mais deu parecer contra Moro nas vezes que o ex juiz foi julgado por sua conduta.

Agora, antes de se aposentar, Celso de Mello pode colocar Moro em uma situação muito difícil e Lula poderá ter seus direitos políticos restabelecidos.

A decisão sobre a suspeição de Sergio Moro enquanto juiz da operação Lava Jato deve sair até o fim de outubro no Supremo Tribunal Federal (STF).